Bandolins

Ela era a valsa muda de toda e qualquer melodia,

E quando seu rosto sorria, revigorava as ondas do ar.

Seu corpo bailando ao som do silêncio, em perfeita sincronia.

Nos instigava o desejo humano, a vontade de amar.

Em sua pele a palidez do primeiro inverno,

O imaculado semblante semeando a pureza do ser.

Ela trazia no corpo as marquises do céu e as esquinas do inferno,

E seu andar descalço, atrasado, trocando passos com o amanhecer.

Enquanto as cores descoloriam o céu, glorioso festim,

Ela enfeitava jardins, perfumava amélias com a força do olhar.

Seus lábios, segundo a lenda, conservam o aroma da flor de jasmim,

E o que os homens chamam de gota, ela chama de mar.

Anúncios

4:17 am

Irei me reconstruir, assim como a cidade em chamas renasce depois de uma madrugada sangrenta eu renascerei depois desta noite, e estarei intacto. Meus olhos ardem com a luz da verdade e perco o foco por um instante, sei me recompor. Depois de algumas estadias no inferno você acaba descobrindo que o melhor do mundo é o amanhã que nunca chega, as primaveras que nunca florescem, o infinito que sempre acaba. Aos poucos as escolhas se tornam parte do arsenal de armas que o mundo usa para te mostrar que nada é o que parece ser, você está escrevendo um livro o qual ninguém está interessado em ler, é a história da sua vida contada por quem entende do assunto: você mesmo. Seus medos expostos no meio da madrugada mostram que você é humano igual a todos , e isso te deixa feliz e triste ao mesmo tempo. O fundo do poço existe para nos acolher quando tudo o que precisamos é de nós mesmos, é onde devemos estar quando as coisas ruins acontecem, o nosso único refúgio. Saia de si mesmo, crie universos paralelos que possam te transportar para todos aqueles lugares que jamais existiram, encontre na perda total dos sentidos a sua chave mestre, a sua assinatura.

Era quase oito e meia e a ficha tinha acabado de cair, tarde demais? jamais saberemos. Enxugou as lágrimas e pôs a alma no lugar: chegou a hora de se reinventar.

2080

É tudo parte de um vazio infinito. As vozes do vento sopram palavras nos ouvidos e não consigo entender nada do que elas se esforçam para dizer, não tenho medo de nada. A morte é uma visita que não avisa quando vai chegar, não estou preparado para ela mas desejo que venha o mais rápido que puder. As paredes azuis da cor do oceano conversam comigo, somos velhos amigos desde a época que você me deixou. Vejo manchas negras escorrendo na minha retina e nem sequer me esforço em identificá-las, são vestígios das madrugadas do mês passado.
Enquanto isso, em qualquer lugar, um pássaro escolhe um canto qualquer para o seu primeiro ninho, o seu primeiro filho. As decisões são como pássaros que voam ao relento do sol, no fim da tarde. Os relógios chiando, os raios noturnos consumindo o arsenal de flores africanas : é hora de voar.

Sunrise in Aries

Quando ela sorria, dois raios da aurora boreal destilavam os primeiros vestígios de felicidade que sua face esboçava. Enquanto o riso se propagava no vazio da noite, uma família de vaga-lumes admirava o desenho de seus olhos, que era curiosamente similar ao desenho da lua. Seus cabelos revigoravam a chama da vida que ao ressoar de sua melodia infindável cessavam a guerra da natureza contra as angústias humanas. Ao fim da valsa muda dos sentidos aguçados, sobravam apenas uns pedaços de luz e algumas memórias distorcidas de um clarão desconhecido.

E assim nasciam as estrelas.